Dia Mundial do Vitiligo reforça importância do maior esclarecimento à população

Doença dermatológica benigna, vitiligo atinge pigmentação natural da pele e não é contagioso 

Organizado todo 25 de junho, o Dia Mundial do Vitiligo abre espaço para ampliar a divulgação e os esclarecimentos sobre essa doença dermatológica, pela qual muitos pacientes ainda são vítimas de preconceito. De causa desconhecida, o vitiligo atinge cerca de 1% da população mundial e caracteriza-se pela perda da pigmentação natural da pele – ou seja, promove a destruição das células que determinam a cor da pele, levando ao aparecimento de manchas brancas de diferentes formatos e em qualquer parte do corpo.

“É importante deixar claro que o vitiligo é uma doença benigna, não contagiosa e que não prejudica a saúde do paciente”, informa a professora de Dermatologia do Centro Universitário Faculdade de Medicina do ABC, Dra. Cristina Laczynski.

As causas do vitiligo ainda não são totalmente conhecidas. Contudo, fatores psicológicos, genéticos, relacionados à imunidade do indivíduo e a agressão por radicais livres podem predispor o aparecimento da doença. Estresse e traumas emocionais também podem desencadear ou agravar o vitiligo.

Hoje são muitos os tratamentos disponíveis, como no caso de medicações e de fototerapia – quando o paciente é colocado em uma cabine especial e recebe luz ultravioleta A ou B para estimular a repigmentação da pele afetada pelo vitiligo. Outras técnicas possíveis são a curetagem (um tipo de raspagem da pele esbranquiçada que estimula a repigmentação) e a cirurgia de transplante de pele (sob anestesia local, células saudáveis de pele são transplantadas para as áreas com vitiligo).

Foto: Freepik.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.