Pastoral do Povo da Rua: um sonho que se torna realidade na Diocese de Santo André

Você sabia que a Diocese de Santo André conta agora com a Pastoral do Povo da Rua? Isso, mesmo! Uma realidade emergente e muito importante para toda a família diocesana. O vigário episcopal para a Caridade Social, Pe. Ryan Holke, apresentou a nova iniciativa, ao lado da coordenadora diocesana, Jaqueline Pereira, em live realizada na última segunda-feira (30/08).

A ideia é criar uma rede de solidariedade entre as pastorais sociais e da rua já existentes nas paróquias e regiões pastorais de nossa diocese, além de convidar os fiéis leigos a participarem dessa ação em prol dos mais pobres e carentes!

Pe. Ryan Holke conta todos os detalhes da Pastoral do Povo da Rua nesta entrevista concedida à Ascom (Assessoria de Comunicação) da Diocese de Santo André. Acompanhe:

Qual a missão da Igreja junto ao povo da rua?

A missão da Igreja junto ao povo da rua é uma missão específica. Não é aquilo que o Estado tem o dever de prover o atendimento de saúde, de assistência social, e tão pouco é uma ação de assistencialismo, de distribuição de alimentos ou de mantimentos. Mas a missão da Igreja é se fazer presente. E se fazer próximo e caminhar com esses nossos irmãos e irmãs anunciando-lhes Jesus Cristo.

A nossa proposta é sempre buscar o Reino de Deus. E caminhando, assim como Jesus, que não teve medo de se aproximar das pessoas, mesmo quando essas sofriam de lepra, ou de qualquer outra situação de doença, nós queremos ser presença de Jesus Bom Pastor junto a esses nossos irmãos e irmãs, para juntos seguirmos novos caminhos de vida.

Qual a realidade diocesana dos grupos que atendem à população de rua?

Em nossa diocese temos aproximadamente quase 40 grupos que realizam trabalhos com pessoas em situação de rua levando marmitex, entregando cobertores e roupas nos momentos de frio e mantendo ao longo do tempo um relacionamento de amizade, de proximidade com esses nossos irmãos e irmãs.

Contamos também com casas de acolhida como a Comunidade Pe. Pio, a Fazenda Esperança (GEV), a Missão Belém, Fraternidade O Caminho a Casa de Assis. No entanto, não existia a nível diocesano, uma instância que reunisse todas essas realidades sobre o mesmo propósito.

Quais os principais objetivos da Pastoral do Povo da Rua?

A instituição da Pastoral do Povo da Rua em nível diocesano tem o objetivo de coordenar os esforços, tanto na destinação de recursos, quanto também na comunicação muitas vezes dos dramas que passam nossos irmãos e irmãs de rua. E de acompanharmos mais de perto e em tempo real, as políticas públicas dos sete municípios do Grande ABC.

Um dos principais objetivos da Pastoral do Povo da Rua começa com a presença. Ser presença junto aos nossos irmãos que estão nessa situação tão difícil, tão adversa que é estar na rua sem um lugar para morar. E uma vez presente com esses nossos irmãos e irmãs, enxergar nas suas vidas, a ação e a passagem de Deus, ter uma perspectiva cristã sobre a existência. Estando presente com essa perspectiva cristã, favorecer projetos que superem a exclusão social de nossos irmãos e priorizar projetos que levam à vida plena, co-construindo novos caminhos com essas pessoas.

Qual a relação da Pastoral do Povo da Rua com o 8º Plano Diocesano de Pastoral?

A Pastoral do Povo da Rua tem tudo a ver com a Acolhida e Missão, duas prioridades centrais surgidas a partir do Sínodo Diocesano. Primeiramente, porque é necessário ir à rua para encontrar com esses nossos irmãos. Não é possível fazer esse trabalho dentro do conforto da nossa casa. Precisamos ir ao encontro. Então, primeiramente o “chegar a todos”. Em seguida, precisa ter os corações e mentes abertos para uma acolhida efetiva e afetiva de cada pessoa que está em situação de rua.

Preparar também nossas comunidades e paróquias para viverem essa acolhida, tanto nas igrejas quanto na forma como olhamos e dialogamos com as pessoas nas ruas, em toda a sociedade. Então, a cultura e espiritualidade do acolhimento, como cita o nosso 8º Plano Diocesano de Pastoral, também vai se traduzir em ações concretas junto às pessoas em situação de rua.

Como as pastorais e os grupos de rua podem participar desta iniciativa?

Todas aquelas pessoas que já estão atuando com nossos irmãos em situação de rua podem entrar em contato conosco através do Centro Diocesano de Pastoral, pelo telefone: (11) 4469-2077 ou pelo WhatsApp: (11) 99981-1233.

Neste momento estamos realizando o recadastramento de todos esses grupos que atuam em nossa diocese. No início da pandemia das Covid-19 já havíamos feito um primeiro cadastramento, mas sabemos que a pandemia causou uma mudança em muitos grupos, tanto nos seus membros, quanto nas atividades. Novos grupos também surgiram. Então estamos fazendo esse recadastramento nesse exato momento.

Quem ainda não participa, qual o caminho para fazer parte da Pastoral do Povo da Rua?

Para você que ainda não participa deste trabalho, mas tem vontade de conhecer, também pode entrar em contato com o Centro Diocesano de Pastoral, pelo telefone: (11) 4469-2077 ou pelo WhatsApp: (11) 99981-1233.

Nós vamos colocar você em contato com o grupo mais próximo de sua paróquia, da sua residência para que assim possa se engajar e fazer parte desta grande rede de solidariedade e de acolhida.

Quais as formas de colaboração com a Pastoral do Povo da Rua?

Existem muitas formas de colaborarmos com a pastoral. Não é somente indo à rua, embora isso seja muito importante. Mas também temos aquelas pessoas que cozinham, que preparam os alimentos, arrecadam mantimentos, remédios e roupas, em geral. Temos pessoas que prestam assistência de várias formas e que ajudam com todo tipo de doação e tudo isso será muito bem-vindo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *